Mudando a cor, com o calor !

Muitas pedras passam por tratamento de calor para ter sua cor valorizada.

A ametista é a mais conhecida. A queima da ametista acontece para que sua cor se modifique. Certas ametistas, que estão fora do tom comercial, quando elevada a altas temperaturas (acima de 300 graus) tem sua cor alterada do amarronzado para o amarelo, transformando se em citrino.

Não é toda ametista que vira citrino. Nem todo citrino é ametista queimada.

A ametista roxa, se tratada no calor, tem sua cor clareada,e se errar o processo, ela perde toda sua cor, se transformando num cristal, ou seja, um quartzo sem cor.

O citrino tem vários tons, desde o mais claro (comercialmente tratado por quartzo acitrinado), até os tons de conhaque.

Aqui no Brasil temos ametistas e citrinos maravilhosos em vários estados. Os que mostro nesse post são do Sul e da Bahia. Algumas lavras produzem as duas pedras juntas. Também é comum lavras de Quartzo Fumê Murion produzirem essas pedras. Algumas ametistas recebem tratamento de calor também para ter sua cor clareada. Se uma ametista com um roxo muito fechado não fica bom depois de lapidado, pois não há entrada de luz, é usado o tratamento de calor para “abrir” a cor da pedra.

Por exemplo, essa ametista recebeu tratamento para clareamento de cor, pois era completamente fechada, dando um tom quase preto. Depois do tratamento, ficou com tom definido roxo. Com um segundo tratamento ficaria mais clara, mas optamos por deixa-la assim.

ametista clareada

Agora, um exemplo de mudança de cor. Clareamento através do calor.

Dois corações feitos a partir da mesma pedra. Um recebeu tratamento de calor e o outro, não. O coração que recebeu o tratamento ficou com um tom roxo lavanda.

ametista clara (tratada) e ao lado, a natural, com cor roxa acinzentada e manchas pretas.

ametista clara (tratada) e ao lado, a natural, com cor roxa acinzentada e manchas pretas.

Todo esse processo tem que ser feito por profissionais, para que não haja risco de acidentes ou perda da pedra.

Peça final... pedra clareada para satisfazer uma cliente muito especial...

Peça final… pedra clareada para satisfazer uma cliente muito especial…

Aqui, citrinos naturais da Bahia. Saem das lavras naturalmente dessa cor. Esses da foto estão apenas polidos no vibrador, sem alteração de cor através de calor. Muita gente vende esses citrinos brutos na Bahia como “Topázio Baiano”. Mas, mesmo que tenham um amarelo forte, essas pedras são citrinos, e não topázio.

citrinos da bahia

Abaixo, amostra de cor de Citrino natural do Rio Grande do Sul. Mais claro, com bastante mancha branca. Mesma pedra ( citrino) porém com diferença de cor. Essa alteração acontece devido ao solo de cada região. Quanto maior a concentração de ferro a pedra tiver, mais amarela ela será.

Citrino do Rio Grande do Sul

Citrinos naturais do Sul e ao meio, enorme citrino da Bahia. Todos de cor natural, sem queima.

Depois de pronto!!! Anel Favo Coração Citrino. Pedra linda, enorme, poucas inclusões , da Bahia.

Depois de pronto!!! Serrado, formado, facetado briollet e hidratado… Anel Favo Coração Citrino. Pedra linda, enorme, poucas inclusões , da Bahia.

Citrinos amarelos naturais, puros ( sem inclusões ), chegam a custar U$ 50 o quilate.

E vc sabe como foi descoberto essa forma de tratar a cor da ametista?

Antigamente, no Sul, as ametistas e principalmente as druzas, que não serviam para o comércio era aproveitadas na construção de fornos.

Isso mesmo, fornos… Fornos de barro, comuns naquela região. São fornos feitos com barro ( argila) , do lado de fora da casa, e as pedras era utilizadas nas paredes internas para manter o calor.

Com o tempo, o pessoal começou a perceber a alteração da cor desse material, que até então não tinha valor comercial, e se tornou um ótimo negócio!

E assim, começaram a separar as pedras que antes eram refugos e começaram a experimentar. Apenas um tipo específico de cor  aceita esse tipo de tratamento que chega ao tom amarelo.

Druzas Queimadas

Druzas Queimadas

O chato das druzas queimadas é que na hora de serrar e formar, elas costumam esfarelar, pois ficam com a base ressecada demais. São melhores para decoração ou formas maiores.

São super difíceis para fazer em tamanho de anel. Muita gente acredita que a pedra bruta é fácil de trabalhar por ser bruta, mas forma-las para encaixar no anel é algo bem delicado, feito depois de estudar a peça com carinho, para encontrar o melhor ponto de serra. Depois polimos e dados um banho de hidratação, para manter a pedra viva por mais tempo.

anel citrino bruto anel gota citrino bruto anel redondo druza fina citrino anel gota citrino

As Águas Marinhas também recebem esse tratamento algumas vezes, para abrir a cor, de verde, para azul ou potencializar um certo tom. Isso fica pra outro post, com fotos passo a passo. =)

A maior vantagem desse tratamento é que ele é limpo e barato, sem substâncias tóxicas ou poluentes. A natureza agradece! =)

Gostou dos nossos acessórios? Então venha conhecer nossa loja virtual !

minha loja divitae

 

Anúncios

10 pensamentos sobre “Mudando a cor, com o calor !

  1. As peças são maravilhosas, parabéns pelo bom gosto………eu possuo algumas Ametistas brutas e lapidadas …não sei o que fazer …vcs tem interesse ou poderiam me indicar algum? Desde já agradeço a atenção…..Silvana

    Curtir

    • Olá, Silvana. Eu tenho um estoque enorme, obrigada !
      Recomendo que vc procure no Mercado Livre, lá existe um comércio razoável de pedras, talvez vc consiga vende-las através de lá.
      Abraços, Ana Maria.

      Curtir

    • Olá, Silvana. Eu tenho um estoque enorme, obrigada !
      Recomendo que vc procure no Mercado Livre, lá existe um comércio razoável de pedras, talvez vc consiga vende-las através de lá.
      Abraços, Ana Maria.

      Curtir

    • Getúlio, peça instruções ao fabricante, ele é a pessoa correta pra lhe responder. Eu nunca alterei cor de turmalina, não posso te dar dicas. Boa sorte! abs

      Curtir

  2. Gostei muito do site. É bem informativo e não “enrola”.

    As informações são agradáveis.

    E as peças bem interessantes.

    Só não entendi a parte do quarto fumé (quartzo marrom, amarronzado). Ele pode mudar para que cor, devido ao tratamento térmico? Aquela ametista roxa escura, era, mesmo originalmente, uma ametista, apenas muito escura, não é?

    O quartzo fumé me interessa. Pesquiso sobre o assunto.

    Curtir

    • Olá, Armando, desculpe a demora em responder!
      Então, certas ametistas vem manchadas, metade roxa, metade fumê, ou toda fumê com manchas roxas, nesse caso, quando tratamos esse fumê muda de cor e se torna um tom citrino, entendeu?
      Aquela ametista da foto era bem fechada, praticamente preta, o que fazia a lapidação não refletir luz… então tratamos até ela abrir cor.
      O quarto fumê clareia com o tratamento.
      Espero ter esclarecido suas dúvidas!
      Grande abraço =)

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s